Como Deus vê o seu sofrimento?

Atualizado: Set 24





Foi em um momento de sofrimento, depressão e isolamento em minha vida que esta e outras perguntas surgiram como inspiração em minha mente: Como Deus vê o meu sofrimento?


“Antes que te formasse no ventre, te conheci, e antes que saísses da madre, te santifiquei; às nações te dei por profeta.” – Jeremias 1:5


“Porque eu bem sei os pensamentos que tenho a vosso respeito, diz o Senhor; pensamentos de paz, e não de mal, para vos dar o fim que esperais.” – Jeremias 29:11

Deus sempre o amou. Antes de você existir e até mesmo antes da fundação do mundo. Os pensamentos de Deus sempre foram e sempre serão de paz. Ele quer nos dar o fim que esperamos.


Voltando ao Jardim do Éden, vemos uma atitude divina ao expulsar a família do lugar que Ele criara. Analisemos o texto:


“Então disse o Senhor Deus: “Agora o homem se tornou como um de nós, conhecendo o bem e o mal. Não se deve, pois, permitir que ele também tome do fruto da árvore da vida e o coma, e viva para sempre”. Por isso o Senhor Deus o mandou embora do jardim do Éden para cultivar o solo do qual fora tirado. Depois de expulsar o homem, colocou a leste do jardim do Éden querubins e uma espada flamejante que se movia, guardando o caminho para a árvore da vida.” – Gênesis 3:22-24


O propósito de Deus ao retirar o homem do jardim foi para que eles não comessem novamente da árvore da vida e dessa forma vivessem para sempre na condição de pecadores eternos. Dessa maneira não haveria chance de redenção, assim como ocorreu com os anjos caídos.


Entendo que muitas vezes nós não conseguimos discernir o porquê de vivermos tantas dificuldades na vida e como Deus pode fazer certas coisas que julgamos desnecessárias, como expulsar o homem de um lugar de delícias. Temos que olhar para cada situação difícil com olhos espirituais, permitindo, assim, que entendamos os propósitos de livramentos em meio ao sofrimento.


Deus sempre nos permite sofrer, assim como também nos impede de sofrer mais do que podemos suportar.


“Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é fiel; ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, ele lhes providenciará um escape, para que o possam suportar.” – 1 Coríntios 10:13


Qualquer adversidade que você esteja vivendo hoje, pode certamente suportar. Entenda isso como uma capacidade que o Criador deu a você de resistir aos problemas da vida. Quando passamos pelas lutas esquecemos de que já vencemos tantas outras. Lembre-se, você pode ser mais forte do que imagina ou do que pensam.


“Não sobreveio a vocês tentação que não fosse comum aos homens. E Deus é fiel; ele não permitirá que vocês sejam tentados além do que podem suportar. Mas, quando forem tentados, ele lhes providenciará um escape, para que o possam suportar.” – 1 Coríntios 10:13


“É no silêncio cadinho de seus sofrimentos pessoais e particulares que nascem seus sonhos mais nobres e onde se possível, os maiores dons de Deus são concedidos em compensação por aquilo que você tem passado.” – Wintley Phipps


“Sei que Deus não me dará algo de que eu não possa cuidar. Só gostaria que ele não tivesse confiado tanto a mim.” – Madre Teresa


Existe o sofrimento que vivemos como consequência de habitarmos nesse mundo caído, como consequência de nossos atos pecaminosos e o sofrimento por liberação divina.

O sofrimento é também uma consequência dos nossos atos pecaminosos. Se você fumou durante toda sua vida e um dia receber a má notícia de que está com câncer de pulmão, não pode colocar a culpa em qualquer outro ser a não ser em sua falta de posicionamento quanto à sua saúde.


O povo Hebreu


O povo escolhido de Deus, chamado para herdar a terra prometida, teve uma das histórias mais drásticas da Bíblia. No advento da peregrinação no deserto, os hebreus viveram no Egito por 430 anos (Êxodo 12.40). No final desse período foram submetidos a trabalhos forçados. Então Moisés, tendo Arão como porta-voz, recebeu de Deus a missão de conduzir o povo para formar uma nação (Êxodo 3.4), na Palestina, a terra prometida. Isso aconteceu independente da crueldade de Faraó e da infidelidade do próprio povo (Josué 24). (O êxodo dos hebreus é contado em Êxodo 14.)


Deus ouve o clamor do seu povo e levanta um homem chamado Moisés como libertador. Sua missão era tirar o povo de Deus da escravidão e conduzi-los à terra prometida. Moisés tem êxito em sua missão e após as 10 pragas que Deus envia ao Egito, Faraó libera o povo e inicia a peregrinação dos israelitas até a terra prometida.


O deserto do Sinai ocupa uma península de apenas 200 quilômetros de largura. A estrada que liga o norte do Egito à Palestina pode ser percorrida em duas horas de carro (100km/h). Por que, então, a Bíblia diz que o povo levou tanto tempo para atravessá-lo?


“Quando faraó deixou sair o povo, Deus não o guiou pela rota da terra dos filisteus, embora este fosse o caminho mais curto, pois disse: ‘Se eles se defrontarem com a guerra, talvez se arrependam e voltem para o Egito’. Assim, o Senhor fez o povo dar a volta pelo deserto, seguindo o caminho que leva ao mar Vermelho. Os israelitas saíram do Egito preparados para lutar.” – Êxodo 13:17-18


Apesar de a rota da terra dos filisteus ser o caminho mais curto para se chegar a Canaã, Deus fez o povo dar a volta se possível, deserto seguindo o caminho que leva ao Mar Vermelho. Por isso, a travessia levou mais tempo.

Deus estava realizando, entre os israelitas, diversos sinais miraculosos desde que os tirara do Egito:


  • Abriu o Mar Vermelho para que eles pudessem atravessar e não permitiu que os egípcios os alcançassem (Êxodo 14:21-28; Hebreus 11:29);

  • Fez cair pão do céu – maná (Êxodo 16:16-21, 35);

  • Fez sair água das rochas para que eles tivessem o que beber (Números 20:11);

  • Fez o vento soprar forte e levar até eles codornizes do mar para que comessem, já que queriam carne (Números 11:4-6, 18, 31).


E, mesmo assim, eles duvidaram do poder de Deus para conduzi-los à terra prometida, Canaã. Em consequência da incredulidade, infidelidade e desobediência do povo, Deus fez com que eles levassem 40 anos para atravessar o deserto.


A intenção de Deus será sempre de libertar os seus da escravidão do pecado, do medo, da depressão, das dores, do sofrimento e orientá-los a um novo estágio. Durante essa jornada teremos de enfrentar os seguintes desafios:


1. O povo disse que teria sido melhor morrer no Egito como escravo, comendo pão e carne, do que morrer de fome no deserto.

“E os filhos de Israel reclamaram com Moisés e Arão: Antes fôssemos mortos pela mão de Yahweh na terra do Egito quando estávamos sentados próximos às panelas de carne e podíamos comer pão com fartura. Evidentemente nos trouxeste a este deserto para fazer toda esta multidão morrer de fome.” – Êxodo 16:3


Quando você sair deste estado de dor, enfrentará pensamentos que tentarão levá-lo de volta para a escravidão mental e tentarão convencê-lo de que no Egito o sofrimento era mais confortável do que caminhar em direção ao lugar que Deus quer que você alcance. Isso significa que você enfrentará as vontades da carne, como retornar às drogas, à prostituição, à mentira, o engano, à desonestidade. Quando isso acontecer, lembre-se de Suas promessas de vida, de que você não pertence ao Egito e não pode continuar sendo escravo do maligno ou de seus próprios pensamentos.

Os judeus, chamados hebreus na época, sofreram como consequência da desobediência e incredulidade. O povo que mais viu milagres, sinais e maravilhas em toda a história foi o povo mais desobediente e incrédulo. Não pense que grandes sinais mudarão seu caráter ou a forma de ver os problemas, ou farão de você uma pessoa com uma fé inabalável, ao contrário, isso só pode levá-lo a Deus quando houver se possível, manifestações sobrenaturais. Com uma fé fraca e baseada em interesses, quando Deus não operar você irá fraquejar.


Confie na sabedoria do Senhor e isso o ajudará a se manter confiante nEle em qualquer circunstância.


O povo hebreu daquela época morreu no deserto e a geração seguinte herdou a terra prometida. Não permita que sua falta de fé e desobediência o impeçam de herdar as promessas que Deus tem para sua vida. Não sofra mais por conta da desobediência, pode ser desobediência aos seus pais, líder na igreja, seu chefe, qualquer tipo de desobediência é pecado.

Peça perdão ao Pai ou a quem você tenha sido desobediente. Por meio da obediência de Cristo nos tornamos justos, viva essa palavra.


“Ninguém vos engane com palavras tolas, pois é por causa dessas coisas que a ira de Deus vem sobre os que vivem na desobediência.” – Efésios 5:6


“Logo, assim como por meio da desobediência de um só homem muitos foram feitos pecadores, assim também por meio da obediência de um único homem muitos serão feitos justos.” – Romanos 5:19

Assim como Deus levantou Moisés, também enviou seu filho Jesus Cristo para morrer em nosso lugar e nos dar vida e vida em abundância.

Sofrimento do Rei Davi

Davi foi um homem que afrontou vários tipos de sofrimentos e situações complexas. Foi rejeitado por seus irmãos, enfrentou a fúria e foi perseguido pelo rei Saul, e teve muitos inimigos na sua trajetória. Contudo, a dor mais forte que ele enfrentou foi a morte do seu filho com Bateseba. Acredito que enterrar o próprio filho é a pior dor que um pai pode sentir. Nada se compara a tal fatalidade. E o pecado de Davi, ao se apaixonar e se relacionar com Bateseba, bem como planejar a morte de seu marido Urias, ocasionou isso.

Em alguns momentos da vida nos deparamos com situações complexas que parecem ser nosso pior inimigo. Isso nos deixa sem forças, sem esperança e com vontade de desistir. Esse seria o momento e o motivo natural para que o rei Davi se entregasse e entrasse em uma profunda depressão, sentimento de culpa e intenso arrependimento por perder o filho por sua conduta reprovável. A história tem um desfecho espetacular e motivador e quero compartilhar com você mais alguns segredos e lições a respeito de como Davi superou o sofrimento e a dor da morte.


Após o profeta Natã ir até o palácio do rei e profetizar acerca do pecado de Davi e das consequências que ele iria enfrentar, o filho de Davi contraiu uma doença grave que certamente seria mortal:

“Então Natã foi para sua casa; e o Senhor feriu a criança que a mulher de Urias dera a Davi, e adoeceu gravemente.” – 2 Samuel 12:15

Davi, mesmo sabendo da doença grave do menino e que possivelmente morreria, implora a Deus em favor da criança. Imagino o quanto o rei tenha gritado, clamado, chorado e pedido com todas as suas forças para que Deus mudasse a sentença, além disso jejuou e passou as noites deitado no chão sem comer nem falar com ninguém.


Davi estava completamente humilhado e frustrado com a situação, porém teve atitudes de fé em meio ao decreto de morte que recebera do profeta Natã. As notícias ruins que o alcançam não devem paralisar você, mas devem conduzi-lo a atitudes de fé e coragem. Muitos se entregam de primeira porque pensam que determinada situação não tem saída e nem possibilidade de mudança. Se você está passando por uma situação complexa, tenha as forças e as atitudes que Davi teve ANTES e DEPOIS da morte de seu filho:


1. Davi clamou a Deus


“Clama a mim, e responder-te-ei, e anunciar-te-ei coisas grandes e firmes que não sabes”. – Jeremias 33:3


Você pode tomar muitas decisões depois de orar e clamar a Deus, mas antes da oração você não pode fazer nada. O clamor é o grito dos desesperados. Quantas vezes sofremos em diversas situações e não permitimos a Deus participar da nossa dor e nos confortar. O clamor do necessitado faz o Senhor se levantar do seu trono.

“Pela opressão dos pobres, pelo gemido dos necessitados me levantarei agora, diz o Senhor.” – Salmos 12:5

Grite, suplique, peça insistentemente a Deus em favor dos seus problemas. Ele pode não o tirar da situação, mas certamente vai confortá-lo e dar forças para enfrentá-la.

2. Davi se humilhou diante do Senhor

Davi é chamado o homem segundo o coração de Deus por suas atitudes de humilhação e adoração ao Senhor. Humilhar-se não é uma atitude de vergonha e fraqueza, mas de prostração total a um Deus que pode restaurar todas as coisas e promete atender e honrar aqueles que se humilharem em sua presença.

“E o que a si mesmo se exaltar será humilhado; e o que a si mesmo se humilhar será exaltado.” – Mateus 23:12

“Humilhai-vos, pois, debaixo da potente mão de Deus, para que a seu tempo vos exalte;” – 1 Pedro 5:6

Humilhar-se perante o Senhor significa render-se totalmente a Ele e colocar toda confiança diante de um Deus que pode todas as coisas. Quando estamos em tempos de sofrimento e angústia pode ser que fiquemos sem vontade de adorar, mas a adoração é uma prática que não deve ser abandonada em nenhuma circunstância. Experimente se humilhar diante do Senhor e, quando fizer isso, sentirá o fluir do Espírito Santo, haverá quebrantamento e as palavras de oração tomarão seu coração. Isso trará um consolo que você não encontrará em ninguém e em nenhum outro lugar, somente aos pés de Jesus.

Você começará prostrado e se levantará renovado, estará em prantos e Ele enxugará suas lágrimas, estará fraco e será fortalecido, estará humilhado e sem esperança, no entanto ficará de pé com fé e coragem.

“Lançando sobre ele toda a vossa ansiedade, porque ele tem cuidado de vós.” – 1 Pedro 5:7

“Vinde a mim, todos os que estais cansados e oprimidos, e eu vos aliviarei.” – Mateus 11:28

3. Davi jejuou

Jejum significa abster-se de alimentos e não só isso, deve ser combinado com oração e meditação. Também pode ser acompanhado por outros atos de renúncia, como abstinência de relações sexuais (1 Coríntios 7:5). Essa prática aparece na Bíblia tanto no antigo quanto no novo testamento e pode ser adotada por nós hoje, não apenas em tempos de sofrimento, mas em qualquer momento, principalmente quando estamos buscando mais intimidade com Deus.

Jejum é uma prática espiritual poderosa, na qual renunciamos a carne para nos conectar mais com Deus e com o mundo espiritual. Moisés jejuou 40 dias; Davi, Esdras, Neemias, Ester e Jesus jejuaram 40 dias; os discípulos de Jesus e de João jejuaram; Paulo, Barnabé, muitos homens na história do cristianismo e os heróis da fé tiveram uma vida de jejum e oração e conseguiram resultados extraordinários. Lembro-me de ter vivido momentos sobrenaturais e obtido respostas de oração por meio dessa prática.

O jejum não mudou a situação de Davi, contudo, o fortaleceu e o aproximou da confiança de Deus para entender o desígnio do Senhor. Não espere que ao jejuar sua vida mude, mas certamente abrirá seus olhos para ver os problemas com uma perspectiva de fé e esperança.

Quando você está certo que fez o que podia, ainda que exista uma dose de culpa por não ter feito mais, haverá um memorial de atitudes de fé que o lembrará que você fez o que pôde. Deus não mudou o que foi posto em oração porque Ele é soberano e sempre saberá o que é melhor para você.


“E sucedeu que ao sétimo dia morreu a criança; e temiam os servos de Davi dizer-lhe que a criança estava morta, porque diziam: Eis que, sendo a criança ainda viva, lhe falávamos, porém não dava ouvidos à nossa voz; como, pois, lhe diremos que a criança está morta? Porque mais lhe afligiria.” – 2 Samuel 12:18

Depois do sétimo dia os servos de Davi temeram dizer a ele sobre a morte do menino, porque recearam que o rei fizesse alguma loucura. Isso pode significar que as condições de Davi eram extremas e poderia acarretar em vários desfechos, até mesmo num suicídio, assim como fez Judas, pela culpa de sua traição.

Talvez você pense: “Mas Davi nunca faria isso, ora, todos nós estamos suscetíveis a pensamentos tenebrosos”. Apesar de Davi ser o rei de Israel, adorador, guerreiro e homem segundo o coração de Deus, também era pecador, humano e dependente da graça divina como você.


Quem olhava para o rei enxergava uma cena extremamente triste, talvez alguns pensassem que seria o fim daquele homem, pois não conseguiria superar tal sofrimento.

O rei poderia dizer a Deus: “Eu jejuei, clamei ao meu Senhor e sempre me respondeste e sempre me livraste, fiz tudo o que podia, mas nada adiantou, o Senhor não me ama, não me ouviu, não me perdoou.”

Tudo o que Davi fez foi válido para ele mesmo, porque ele se superou. Quando você tenta de tudo e mais um pouco e não vê o problema resolvido, você terá a vitória do seu esforço e a paz interior de usar todas as suas forças em prol de vencer seu sofrimento.

É melhor sofrer por ter lutado e perdido do que sofrer por não ter ido à batalha.

Se uma pessoa estuda por vários anos para prestar um concurso e, apesar de algumas reprovações, tem a última oportunidade para tentar, mas mesmo assim recebe a notícia de que novamente não foi aprovada, no mínimo ela evoluiu e acumulou experiência para não desistir e continuar tentando. O aprendizado com os estudos e com as reprovações poderá capacitá-la para enfrentar as derrotas da vida e a tornará mais forte para conquistas futuras.

As atitudes do Rei Davi após a morte do filho


Com certeza você pode visualizar a cena da prostração e da dor que o rei enfrentou naquele momento de sua vida e pode até mesmo ter se identificado com o sofrimento de Davi. Mas agora quero mergulhar com você no desfecho desse momento e como Davi conseguiu prosseguir apesar do luto de suas emoções.

“Viu, porém, Davi que seus servos falavam baixo, e entendeu Davi que a criança estava morta, pelo que disse Davi a seus servos: Está morta a criança? E eles disseram: Está morta. Então Davi se levantou da terra, e se lavou, e se ungiu, e mudou de roupas, e entrou na casa do Senhor, e adorou. Então foi à sua casa, e pediu pão; e lhe puseram pão, e comeu.” – 2 Samuel 12:19,20

1. A coragem de Davi ao enfrentar as notícias ruins

Davi entendeu que a criança estava morta quando observou os servos cochichando sobre o assunto da morte e planejando como entregariam a notícia a ele. Davi fez uma pergunta direta aos servos: “Está morta a criança”? E eles responderam: “Está morta”.

Davi parecia já estar preparado para receber a notícia da morte e enfrentar a dor.

Você precisa entender que as perdas e dores da vida precisam ser enfrentadas, esteja preparado para quando elas chegarem para não ser pego de surpresa. Obviamente não viveremos nosso dia a dia preocupados em receber uma notícia ruim, mas devemos estar prontos porque o dia mau sempre vem e muitas vezes chega sem nos avisar.


“Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mal e, havendo feito tudo, ficar firmes.” – Efésios 6:13

“Então Davi se levantou da terra, e se lavou, e se ungiu, e mudou de roupas, e entrou na casa do Senhor, e adorou. Então foi à sua casa, e pediu pão; e lhe puseram pão, e comeu.” – 2 Samuel 12:19,20

2. Davi se levantou


Aqui está a razão pela qual muitas pessoas se afundam e não conseguem mais se levantar. Após Davi tomar conhecimento da morte de seu filho, ele se levantou. Lembre-se que ele estava prostrado, clamando e sem comer durante sete dias, aquela notícia poderia ser o fim, afundá-lo de vez, e levá-lo a um estado de depressão profunda. Foi isso o que ocorreu?

Ao contrário. Davi achou forças em Deus. Recorde-se que o clamor, o jejum e a humilhação o fortaleceram. Davi poderia se entregar, mas ele se levantou. Aprenda com isso. Existe o momento certo para todas as coisas. Para se humilhar e para se levantar, chorar e se alegrar, você precisa discernir o momento certo para dar um salto, levantar-se e lidar com os problemas da sua vida.

Sabe quando temos que nos levantar? Davi fez isso quando recebeu a notícia de morte. O momento para se levantar é sempre depois de se prostrar.

Seu momento de se levantar pode ser agora, olhe para trás e veja que seu recuo, sua falta de socialização e seus medos não resolveram nada. O que ajudará agora é uma atitude de coragem, de se erguer e enfrentar a dor. Acredite, de pé você será mais forte do que prostrado.

3. Davi banhou-se

Tomar um banho depois de um longo dia de trabalho, depois de uma atividade física ou ao retornar de uma longa viagem, como isso nos faz bem, não é mesmo? E prepara-nos para um momento de descanso ou para um compromisso.

O Ato de Davi é significativamente profético. Ele estava lavando não apenas o corpo, mas a “mente”, preparando-se para um novo tempo. Alguns que enfrentam a depressão em certo nível têm dificuldades e falta de vontade para tomar um banho, arrumar-se, maquiar-se, colocar uma bela roupa e geralmente ficam isolados.

Meu estado de depressão me levou ao isolamento das pessoas, não tinha vontade de conversar, socializar. Era do trabalho para o quarto e do quarto para o trabalho. Passei mais de um ano com esse problema e devo dizer que, em momentos de recaída devido ao meu temperamento melancólico e fleumático, isso se torna de certa forma ainda mais comum de acontecer e quando vem à tona, quero me isolar e fugir de todos, então busco as atitudes que sempre me ajudam:


a. Entro em contato com um amigo e digo que preciso conversar. Dependendo do nível que estou, digo que preciso vê-lo pessoalmente;


b. Procuro assistir alguma peça de teatro, um filme engraçado ou ouvir uma música que não aumente minha melancolia;


c. Oro e leio a Bíblia;


d. Leio livros;


e. Bebo, moderadamente, vinho, aprecio a bebida e procuro relaxar. Estudos científicos comprovam os benefícios do vinho quando consumido moderadamente. O próprio apóstolo Paulo já entendia o poder e os benefícios que o vinho traz à saúde e aconselhou Timóteo a consumir um pouco da bebida:

“Não bebas mais água só, mas usa de um pouco de vinho, por causa do teu estômago e das tuas frequentes enfermidades.” – 1 Timóteo 5:23

Se você já teve ou tem tendência a ter problemas com bebidas alcoólicas, não siga esse conselho, pois talvez você não consiga se moderar e ao invés de um benefício, o vinho se tornará um malefício em sua vida, porque tudo em excesso traz consequências.


f. Entro em contato com a minha psicóloga e peço que ela me ouça ou antecipe alguma sessão de terapia.


g. Ouço muita música e toco meus instrumentos, principalmente em dias de melancolia, isso me faz muito bem. Você também deve descobrir um hobby, algo que faça você se sentir bem e útil.


h. Praticar exercícios físicos, segundo alguns cientistas, tem um efeito quase imediato. Lembro-me de quando voltei a praticar corrida, me fez tão bem que nos momentos em que estava mais solitário saía para correr e retornava renovado.

Coloquei algumas metas de quilometragem e de evolução que gostaria de ter nesse esporte e baixei um aplicativo que medisse a distância. Logo nos primeiros dias de corrida comecei com 3 quilômetros e em menos de 2 meses atingi 11 quilômetros.


Estava com meu fone de ouvido que informava cada quilômetro atingido e tempo de corrida. Ao ouvir 10 quilômetros continuei correndo e comecei a chorar emocionado com essa pequena conquista, para mim foi como se tivesse recebido um prêmio.

i. Coloque metas, comece com metas atingíveis e quando você começar a alcançá-las, isso vai restaurar sua autoconfiança e prazer.


j. Em décimo e último lugar, procure a emergência de um hospital. Foi isso que fiz quando estava enfrentando um esgotamento mental e ansiedade. Estive extremamente esgotado fisicamente e mentalmente, tive crises de pânico, falta de ar, mãos dormentes, tontura e coração acelerado, achei que estava enfartando de tanto estresse. Fui para o hospital e lá medicado, fiquei em observação, mas fui liberado. Isso me chamou a atenção e então naquele momento busquei ajuda psicológica.

4. Davi ungiu-se e trocou de roupa

Davi, após ter tomado um bom banho, perfumou-se e trocou de roupa. Ele estava trocando as vestes de morte do passado e se revestindo de uma nova roupagem. Era a esperança de Davi sendo reativada por ele mesmo.

Ninguém o obrigou, incentivou ou aconselhou. Por si mesmo teve essa bela atitude. Não espere alguém o motive e diga o que você tem de fazer. Apenas tome um bom banho, coloque sua melhor roupa, use um bom perfume, ame-se, valorize a si mesmo e acredite que esse passo pode ser o início de uma vitória surpreendente.

5. Davi entrou na casa do Senhor e o adorou

O perfume e as vestes eram para se apresentar a Deus. Não pense que após sua melhora e aumento da autoconfiança você deve sair e aproveitar a vida. Não vá para outro lugar a não ser a presença do Senhor que esteve com você em todo o tempo e dando-lhe forças.

Davi não foi fazer outra coisa senão adorar a Deus no templo. Ele ainda estava sem comer, em jejum, ainda lutava contra sua carne. A perda de seu filho não o distanciou do Pai, mas o aproximou ainda mais. Muitas vezes, quando enfrentamos a dor, é mais fácil nos afastarmos de Deus enquanto outros se afastam quando está tudo bem.


“Louvarei ao SENHOR em todo o tempo; o seu louvor estará continuamente na minha boca.” – Salmos 34:1

6. Voltou para casa e comeu

Depois da ida ao templo do Senhor para adorá-Lo, Davi retornou para casa. Em nossa casa, entre a família, é o melhor lugar para passarmos o tempo do luto. Davi pediu pão e comeu. Veja que comer foi a última coisa que ele fez. O jejum não foi para mudança de estado e obtenção de milagres, mas para aproximação e intimidade com Deus.

7. Ensina seus servos como superar o sofrimento

“E disseram-lhe seus servos: Que é isto que fizeste? Pela criança viva jejuaste e choraste; porém depois que morreu a criança te levantaste e comeste pão. E disse ele: Vivendo ainda a criança, jejuei e chorei, porque dizia: Quem sabe se DEUS se compadecerá de mim, e viverá a criança? Porém, agora que está morta, por que jejuaria eu? Poderei eu fazê-la voltar? Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim.” – 2 Samuel 12:21-23

Quando Davi retorna para casa, seus servos não conseguem entender suas atitudes de superação e como ele jejuou e chorou pela criança viva e depois da morte ele se levantou e comeu pão. É comum pessoas despreparadas e maldosas não entenderem como conseguimos superar as dificuldades. Ao invés de se alegrarem, fazem comentários inapropriados como:


“Ontem você estava tão mal e hoje já está tão bem, vejo que o problema não era tão grande assim.”

“Você tem certeza de que conseguiu superar?”

“Como você pode sorrir sofrendo tanto?”


Se você já ouviu essas e outras colocações parecidas, observe como Davi se posicionou diante desse fato:

8. Davi entendeu que não poderia sofrer por uma causa irrevogável


“E disse ele: Vivendo ainda a criança, jejuei e chorei, porque dizia: Quem sabe se DEUS se compadecerá de mim, e viverá a criança? Porém, agora que está morta, por que jejuaria eu? Poderei eu fazê-la voltar? Eu irei a ela, porém ela não voltará para mim.” – 2 Samuel 12:21-23

Como sofremos por problemas irrevogáveis. Davi sabia que não podia continuar sofrendo pela morte de seu filho, pois ele não voltaria à vida. É algo difícil de encarar, mas é a verdade.


Conheci uma mulher que após a morte trágica e totalmente inesperada de seu marido, até hoje não conseguiu se recompor.

Talvez pelo profundo e intenso amor que ela sentia por seu amado esposo, nunca mais conseguira viver como antes e amar novamente outra pessoa como o amou. Ela não conseguiu entender que o marido se foi, porém ela continuou viva. Pode ser que opte por não se relacionar com outro homem, isso é uma escolha muito particular, mas se afastar de todos os amigos e da própria família, demonstra que a superação não foi alcançada e de alguma forma tentará preencher o vazio com uma substância ou atitude meramente passageira e ilusória.

Alguns começam a beber, usar drogas, tornam-se incrédulos e céticos ou religiosos fanáticos. No caso da mulher a quem me referi, entregou-se totalmente ao serviço religioso. Você pode pensar que isto seja bom, pelo menos não procurou o mal para si mesma. No entanto, isso não passa de meia verdade. Ninguém gostaria de vê-la dessa forma, mas também não me sinto confortável em saber que há um poço tão fundo no coração dela que nem mesmo a religião será capaz se preencher esse vazio.

Pessoas procuram coisas boas ou ruins, mas que mascaram a dor e angustias da alma. Davi soube lidar com isso e decidiu não chorar pela dor irrevogável e continuar sua vida.

9. Davi consola Bateseba


“Então consolou Davi a Bateseba, sua mulher.” – 2 Samuel 12:24

Só tem condições de consolar e ajudar outra pessoa quem já superou e vivenciou problemas parecidos.

A última atitude do rei Davi nessa história foi consolar sua mulher. Esse foi o maior sinal da superação de Davi e também será o seu.

Tudo o que você viveu ou está vivendo será de grande valia para aqueles que precisam ser consolados por você. Saiba que Deus irá colocar pessoas que estão vivendo problemas e situações que você já experimentou e superou para ser um agente consolador para elas.

Não deixe de testemunhar suas vitórias de superação. Sua história pode tocar e ajudar a vida de algum necessitado e isto pode ser um divisor de águas para essa pessoa.

Se você já superou o vício das drogas, ajude quem está atolado nesse problema; se superou a depressão, ajude quem está depressivo; se superou a perda de um ente querido, ajude quem está enfrentando a dor do luto. Seja um canal de benção, peça a Deus que coloque em sua vida pessoas a quem você possa ajudar.

Há um detalhe importante nesse assunto; ajude uma pessoa apenas quando você tiver certeza de que está pronto e preparado para tal, do contrário, encaminhe-a para alguém mais preparado. Já vi pessoas acreditarem que estavam preparadas para ajudar e tiveram recaídas por conta do problema do vizinho. Tome cuidado!


“Alegrai-vos com os que se alegram; e chorai com os que choram.” – Romanos 12:15


“Melhor é serem dois do que um, porque têm melhor paga do seu trabalho. Porque se um cair, o outro levanta o seu companheiro; mas ai do que estiver só; pois, caindo, não haverá outro que o levante.” – Eclesiastes 4:9,10


Esse artigo é um capítulo do livro: Se Possível, Afasta de mim esse cálice.




Artigos

mockup-03_edited.jpg
Assine a nossa newsletter